Trabalho Escrito



 INTRODUÇÃO


Todos nós herdamos um temperamento dos nossos pais. Ele é a combinação de características congênitas que consciente ou inconscientemente, afetam nosso procedimento. O temperamento de uma pessoa pode torná-la extrovertida ou introvertida, perfeccionista ou bagunçada. Ele é a influência número um na vida das pessoas, pois, como a cor dos olhos, ele nos acompanha a vida toda. O temperamento nos influencia em hábitos de estudo, de sono, em estilo de alimentação e até no modo de se relacionar. Estas características do temperamento podem e devem ser controladas, mas pode durar algum tempo, ou até uma vida inteira, para que você aprenda a controlá-las. Tudo depende da intensidade de como lidamos com o nosso temperamento.
A palavra temperamento vem do latim “temperare”, que significa "equilíbrio". O temperamento é um aspecto da personalidade e diz respeito às disposições e reações emocionais, bem como de sua rapidez e intensidade.

1.   Fundamentação Teórica


1.1.        Perfil psicológico de estudantes na faixa etária de 15 – 17 anos praticantes de atividade física em uma escola da rede pública de Santa Maria


De acordo com Samulski (2002), o desenvolvimento da personalidade pode ser influenciado num grau elevado através de processos de aprendizagem, de socialização, pelo esporte entre outros. Para o rendimento esportivo, tornam-se necessárias igualmente características de personalidade como capacidade de liderança, dominância, extroversão e comunicação social, por isso ele diz que a atividade física é muito importante para o desenvolvimento da personalidade.
Segundo Samuslki (2002), as relações entre esporte e personalidade são representadas, na Psicologia do esporte, por três diferentes hipóteses:
A.        Hipótese da seleção: o esporte é considerado como fator de seleção. Geralmente as pessoas orientadas para o rendimento se dedicam ao esporte competitivo, as pessoas agressivas se interessam pelo boxe, e as pessoas introvertidas têm preferência pelos esportes individuais.
B.        Hipótese de socialização: o esporte é importante fator de socialização. A atividade esportiva influencia a personalidade e o desenvolvimento da personalidade de uma forma específica, alterando, por exemplo, a motivação para o rendimento, o comportamento agressivo, a liderança e a comunicação social.
C.        Hipótese de interação: os processos de seleção e de socialização influenciam-se de forma recíproca. O boxeador que, por sua natureza, já é agressivo se torna mais dominante ainda, o atleta de alto nível se torna mais dominante e o atleta de esporte coletivo se torna mais extrovertido.

Metodologia
Fizeram parte da amostra 153 alunos do Ensino Médio na faixa etária de 15 – 17 anos, de ambos os sexos, sendo 79 do sexo feminino e 74 do sexo masculino. Foi utilizado um questionário para detectar cada temperamento (melancólico, colérico, sanguíneo e fleumático).

Conclusão
A partir dos resultados obtidos, pode-se inferir que os adolescentes do sexo masculino e do sexo feminino, participantes do estudo, caracterizam-se, na sua maioria, por apresentarem comportamentos extrovertidos e serem instáveis em suas reações e emoções, tendo perfil de pessoas com o temperamento colérico e sanguíneo, o que confirma a literatura da área, a qual refere que pessoas com tendência a temperamento colérico e sanguíneo dão preferência à prática de esportes coletivos, como handebol, basquete, voleibol, futsal, entre outros.
             Sugere-se que outros estudos sejam realizados, em outras escolas e com alunos de outras faixas etárias, pois, com base nos resultados desses, os professores de Educação Física podem ter a oportunidade de conhecer psicologicamente seus alunos e, a partir desse conhecimento, organizar suas aulas de acordo com as necessidades e preferências dos discentes, conseguindo, assim, maior envolvimento e motivação dos alunos.

1.2.        Retrato da sala de aula


Desde a antiguidade, os homens buscam classificar e explicar os seres humanos de acordo com a sua personalidade. Hipócrates criou quatro classificações para as personalidades, sendo o primeiro a criar esse tipo de categorização para os homens. Para ele, os homens eram agrupados nas seguintes classes: sanguíneo, fleumático, colérico e melancólico.
            Desde então, estudos a respeito desse assunto continuaram a surgir. Recentemente, uma tentativa de classificação de personalidades, foi criada no Brasil pelo psiquiatra Diogo Lara, professor de Medicina e Biociências da PUC-RS. Lara chegou à conclusão de que existem 12 tipos de temperamentos que são agrupados em quatro classes diferentes: internalizados (depressivo, apático, ansioso), estáveis (eutímico, hipertímico, obsessivo), instáveis (ciclotímico, disfórico, volátil) e externalizados (desinibido, irritável, eufórico).
Esses fatos foram aplicados à educação, em busca de propor o estilo de aula adequado para cada grupo de alunos. Após uma pesquisa, Lara afirmou que, em geral, 40% dos alunos de uma sala são do tipo "estável" e os outros 60% se dividem igualmente entre os outros três perfis.
Ao final, o psiquiatra concluiu que existem dois tipos de aula: um expositivo e outro dinâmico. O aluno “estável”, previsível e que presta a atenção, é capaz de se adaptar aos dois modos, já os “inibidos”, que geralmente sentam-se às laterais da classe, buscando se desviar de perguntas diretas, por medo de uma aula mais participativa, se adaptam melhor à aula expositiva. Os “instáveis” e “externalizados”, que compõem a chamada “turma do fundão”, necessitam de uma aula prática e dinâmica, pois estes tipos são geralmente muito elétricos.
Apesar de a pesquisa de Lara ter gerado uma conclusão plausível, é necessário cuidado ao classificar a personalidade de uma pessoa. Assim como, depois de Hipócrates ter definido suas classes, os homens continuaram com suas pesquisas, depois de Lara, outros continuarão a pesquisar o que pode acarretar o aparecimento de novas classificações.

1.3.        PUCRS: Pesquisa desvenda temperamento dos brasileiros


Nosso comportamento do dia a dia tem origem das emoções que sentimos e do temperamento que faz parte da nossa personalidade.
            Uma pesquisa tem sido feita no site www.temperamento.com.br, pelo Grupo de Pesquisas Base Neurológicas e Tratamento de Transtorno Neuropsiquiátricos. O organizador tem uma visão de que tem que se equilibrar o medo, a vontade e o controle para ter uma boa saúde mental, que ele acredita ser na verdade uma ausência de doença.
            As pesquisas foram feitas e até o momento haviam 37 mil respostas, onde 70% são mulheres. A partir da pesquisa descobriu-se que 18% dos brasileiros são obsessivos, 16% são eutímicos, 15% hipertímicos e 15% ciclotímicos, disfóricos e voláteis. Essa pesquisa vai ajudar o pesquisador e psiquiatra Diogo Lara a elaborar um mapa de temperamentos.

1.4.        A Teoria dos Humores



Hipócrates, o pai da medicina, relacionou a teoria cósmica de Empédocles de Acragas à saúde das pessoas, criando a Teoria dos Quatro Humores. Os Quatro Humores são: sangue, bílis preta, bílis amarela e fleuma. Essa teoria afirma que a química do corpo determina o humor e defende que uma boa saúde depende do equilíbrio dos Quatro, o excesso de um deles provoca doenças e traços exagerados na personalidade. Essa teoria foi adaptada por muitos pesquisadores, alguns não utilizaram o nome original, dando origem aos Quatro Temperamentos Humanos.

Sanguíneo
Uma pessoa, cujo temperamento é sanguíneo, é uma pessoa extrovertida, animada, de fácil convivência. De origem, ela é receptiva, amigável, viva, a alegria da festa. Uma pessoa sanguínea não reflete muito antes de tomar uma decisão, suas decisões são tomadas pelos seus sentimentos. Nunca faltam amigos para o sanguíneo, ele pode sentir facilmente as alegrias e as tristezas das pessoas. Ele é falante e muito expressivo. Quando conta uma história, sua natureza calorosa e emocional nos ajuda a reviver o fato passado. Os sanguíneos se apegam facilmente as pessoas, mas são os primeiros a esquecê-las. Eles são indisciplinados, bagunçados e dotados de vontade fraca.

Colérico
Uma pessoa de temperamento colérico é uma pessoa prática, dotada de vontade forte. Ela se mostra decisiva, independente e autossuficiente. Como os sanguíneos, os coléricos são extrovertidos, mas não tão intensamente. Eles não vacilam sob a pressão das outras pessoas, são eficientes e sua praticidade faz com que terminem seus afazeres rapidamente.  O emocional de uma pessoa colérica é a parte menos desenvolvida de seu temperamento, ele raramente chora. O colérico é ótimo em debates, argumenta muito bem e defende sua tese, porém usa de muito sarcasmo e pode ser um pouco agressivo verbalmente. Ele não se simpatiza facilmente com os outros, nem mostra ou exprime compaixão, costuma ser dominador e mandão.

Melancólico
Esse temperamento é conhecido como o mais rico de todos os temperamentos. O nome dá a sugestão de tristeza, depressão, mas o temperamento melancólico não se trata disso. Uma pessoa melancólica é muito sensível às emoções. É analista, perfeccionista, obtém seu prazer nas artes, seja música, dança até desenhos. Diferente dos dois temperamentos que já vimos, o melancólico é introvertido, mas, algumas vezes, quando seus sentimentos levam-no às alturas do êxtase, ele age como se fosse extrovertido. Uma pessoa melancólica é muito insegura, por isso depende tanto das pessoas. É um amigo fiel, mas tem dificuldade em fazer amizades. Diferente dos coléricos, ele é analista e sabe verificar os obstáculos antes de tomar qualquer decisão. Dificilmente um melancólico irá escolher uma profissão difícil, pois se acha incapaz de executá-la, porém se escolher, se mostrará muito persistente.

Fleumático
Um indivíduo fleumático é de natureza calma, nunca se perturba ou fica irado. É o temperamento de mais fácil convivência. O nome Fleumático deriva do que Hipócrates pensava ser o fluido corporal que produz o temperamento calmo, frio e equilibrado. Um fleumático sempre evita violência, nunca parece estar agitado. Ele é introvertido, seco, mas tem um senso de humor natural. Esse indivíduo tem um bom coração e é capaz de simpatizar com as pessoas. Ele não se mostrará voluntário em alguma posição de liderança, mas se forçado, será muito competente. Uma pessoa cujo temperamento é fleumático é desmotivada e tenta não se envolver nas atividades dos outros. Enquanto um colérico se levanta por uma causa, o fleumático analisa as circunstancias e questiona “Por que alguém não faz algo sobre isso?”. Ele é um perfeito diplomata e capaz de estabelecer paz e concórdia.

1.5.        Combinações dos Temperamentos


Todos nós somos uma mistura de no mínimo dois temperamentos, na qual deles um predomina e o outro é secundário. Examinaremos a seguir todas as doze combinações:

Sanguíneo Colérico
É o temperamento mais extrovertido e decidido de todas as combinações, pois ambos os temperamentos são de natureza extrovertida. A simpatia e a carisma do sanguíneo o faz voltado às pessoas e a natureza colérica o faz organizado e produtivo. Uma de suas características mais notáveis é que ele se encaixa em quase todos os campos voltados para as pessoas, mas ele deve oferecer variedade, atividade e estímulo.
Apesar de ser de ser extrovertido e amável, ele sente-se ameaçado e inseguro. A sua fraqueza é ser uma pessoa muito externa e por ter opiniões fortes se expressa em voz alta antes de conhecer todos os fatos.

Sanguíneo Melancólico
O sanguíneo melancólico é altamente emocional. É muito sensível e pode sentir as tristezas das pessoas. Ele se da bem com as artes, em especial o teatro e a música. É extremamente perfeccionista e expressa suas criticas verbalmente.
Ambos os temperamentos são sonhadores, porém, se a parte melancólica levar a um pensamento negativo, o potencial do sanguíneo melancólico poderá ser anulado.
Ele sofre com a questão da insegurança e da grande importância à admiração das pessoas. Ser admirado por alguma pessoa muitas vezes é o impulso que o leva às grandes realizações.

Sanguíneo Fleumático
Uma pessoa que tem o temperamento sanguíneo fleumático é extremamente alegre, livre de preocupações e cheia de bom humor. É uma pessoa fácil relacionamento, que gosta de ajudar outras pessoas e não machucaria propositalmente alguém.
A sua maior fraqueza é a desmotivação e a indisciplina. Ele prefere se socializar a trabalhar. Porém, ele raramente se perturba diante de algum problema. Geralmente tem um repertório de piadas e gosta de fazer as pessoas rir.

Colérico Sanguíneo
É o segundo mais extrovertido dentre as combinações. Alguém extremamente ativo, cujos esforços são produtivos tem propósitos, na maioria das vezes. É um excelente motivador, cheio de carisma e que cresce com os desafios. É corajoso, cheio de energia e nunca chega aos lugares sem ser notado. Porém os pontos fracos dele também são bem intensos. Tem uma ira explosiva e guarda ressentimento duradouro. É impaciente, brutalmente franco, distraído, impetuoso.

Colérico Melancólico
O indivíduo colérico melancólico carrega uma combinação que caracteriza alguém detalhista e também dotado de objetividade e vontade forte. É rápido, ótimo argumentador e analista. Um líder completo! Ele é intenso, muito amado ou bastante odiado, pois pode ser facilmente controlador e ditador. Mas pode ser um sarcástico de alto nível, se quiser. Nas discussões ele guarda hostilidade e ressentimento e tem certa dificuldade com relacionamentos pessoais.

Colérico Fleumático
É o mais extrovertido de todos os temperamentos. É muito ativo e entusiasmado, mas ao mesmo tempo consegue ser calmo e indiferente. Não tem tanta iniciativa como os outros coléricos e pode ser um pouco lento, mas é extremamente organizado e norteado, um ótimo administrador! Todavia ele tem o problema de guardar muito ressentimento amargura. E geralmente é alguém muito teimoso e obstinado, se arrepende com dificuldade e não pode ser descrito como alguém corajoso e aventureiro, já que suas características atrapalham esse lado.

Melancólico Sanguíneo
É, geralmente, alguém muito talentoso, um músico de altíssima qualidade! Sua parte melancólica faz com que seja bom com os detalhes e seu lado sanguíneo dá capacidade de comunicar-se bem, podendo assim ser um ótimo educador e bastante encontrado nessa área. Porém ele é alguém tão emotivo, que tem muitos altos e baixos. Chora com facilidade e pode ser duro com as pessoas. Tem baixa autoestima, é inseguro e só coopera quando as coisas estão a seu modo.

Melancólico Colérico
As mudanças de ânimo do melancólico são controladas pela vontade forte do colérico. Faz quase tudo muito bem feito, é um bom líder e bastante eficiente. Mas ele é difícil de agradar e nunca está satisfeito consigo mesmo. Não fica emocionalmente abalado por muito tempo, como os outros tipos de melancólicos, entretanto, cai nessa atitude com bastante frequência. Tem também, mania de autoperseguição e crítica.

Melancólico Fleumático
É o mais erudito de todos. Se dá bem com os outros e combinam o perfeccionismo com a eficiência organizacional.  É humanitário e prefere locais quietos e tranquilos para estudar e desenvolver seus assuntos. Um maravilhoso escritor e bom matemático. Porém, esse indivíduo é facilmente desencorajado e por isso se torna uma pessoa negativa. É alguém quieto e consegue controlar muito bem sua ira e tendência à vingança.

Fleumático Sanguíneo
É o mais comunicativo de todas as outras combinações. Alegre, cooperador, pensativo, diplomático, amoroso, divertido e popular com todos os tipos de pessoas. Não obstante, esse indivíduo é alguém difícil de conviver o tempo todo, já que é indisciplinado e pouco motivado. Uma das coisas ruins que isso gera é o forte medo de coisas novas. Por isso, geralmente fica aquém das suas capacidades e desiste com frequência dos assuntos em que está envolvido.

Fleumático Colérico
É alguém de fácil convivência e pode se tornar um excelente líder de grupo. Tem potencial para ser conselheiro, pois é bom ouvinte e está realmente interessado na história do próximo. Tem um espírito gentil, é bem organizado e sempre segue as normas e regras impostas. Suas características ruins geralmente aparecem com o passar do tempo, nunca à primeira vista. Então, percebe-se que ele é pouco motivado e extremamente teimoso. Sua ira e protesto se refletem no silêncio, e ele raramente explode com outra pessoa. Pode se tornar, ao longo do tempo, bastante passivo e sedentário, o que pode fazer de sua vida algo maçante.

Fleumático Melancólico
De todas as combinações, é o mais gentil, gracioso e quieto. Quase nunca se ira ou diz algo embaraçoso (porque quase nunca diz alguma coisa). Veste-se com simplicidade e todos podem depender de sua ajuda e exatidão. Mas por ser quieto, acaba tendo falta de autoimagem. Também é alguém muito crítico, negativo, passivo e temeroso a qualquer situação. Ele trabalha bem sob pressão, mas nunca é muito ativo em determinada situação.


1.6.        Influências dos Temperamentos


Hábitos de Estudo
Os sanguíneos geralmente não são bons estudantes. Seu interesse é de pouca duração, eles são indisciplinados e se distraem facilmente, tanto com um pássaro que voa no céu até com um quadro em uma parede. Esses indivíduos tem um incrível potencial, mas desperdiçam por falta de disciplina. Eles podem ser muito bons se forem motivados.
Os coléricos são muito espertos, leem em alta velocidade e tem mentes muito curiosas. Eles geralmente se interessam por assuntos voltados para as pessoas, como literatura, psicologia, história. Podem também não serem bons com a escrita, porque passam por cima dos assuntos rapidamente.
Indivíduos melancólicos geralmente são bons estudantes. Se forem motivados, devorarão os livros. Suas mentes retêm as informações e são capazes de gravar os detalhes. São bem concentrados, disciplinados, até mesmo em lugares bagunçados ou barulhentos. Geralmente são bons na escrita e se atentam a cada palavra.
Pessoas de temperamento fleumático tem potencial para serem bons estudantes, porém são procrastinadores. Concentram-se em tarefas de curta duração e não se dão bem com projetos longos. Sob pressão trabalham melhor, são analistas e capazes de deduzir. Possuem uma boa memória e se forem motivados a aprender podem ser pessoas muito inteligentes.

Habilidades de Comunicação
Os sanguíneos são expressivos, muito exagerados, são oradores intuitivos.
 Os coléricos são extrovertidos moderadamente, são ótimos debatedores, argumentadores, mordazes e sarcásticos.
Os melancólicos pensam precisamente no que dizer antes de falar, não gostam de interromper as pessoas e quando começam seus argumentos, não param até concluir seu pensamento.
Os fleumáticos são quietos, não gostam de entrar em debates e nem se meter na conversa alheia.

Habilidades no Trânsito
Os indivíduos sanguíneos são inconstantes até mesmo no trânsito. Algumas vezes dirigem a uma velocidade muito alta e, de repente, passam a dirigir lentamente, sem nenhum motivo. São tão voltados às pessoas que até viram o rosto, passando a olhar para o passageiro ao invés de olhar para frente.
Os coléricos costumam dirigir em alta velocidade tentando ganhar mais tempo. Costumam ser grosseiros e impacientes com outros motoristas.
 Os motoristas melancólicos não partem para uma viagem sem estudar o seu trajeto. Eles raramente dirigem em alta velocidade e com frequência fazem reparos no veículo.
 Os fleumáticos são motoristas mais lentos, raramente mudam de faixa e mostram-se um perigo em uma estrada.

Maneira de Fazer Compras
Os sanguíneos não se importam com os preços, selecionam tudo a fim de obter satisfação visual. São atraídos pelas embalagens e por propagandas.
Os coléricos, principalmente os homens, não se interessam muito por compras. Entram nas lojas para comprar o necessário e querem sair dali rapidamente.
Os melancólicos são mais deliberados nas compras, escolhem pelo preço e pela qualidade. São indecisos, deixam a loja e experimentam o produto várias vezes até decidirem se irão comprar ou não.
 Os fleumáticos geralmente gostam de comprar. Não são tão indecisos quanto os melancólicos, mas precisam de tempo e compram devagar.

1.7.        Vocação


Sanguíneo
Por serem bastante animados e carismáticos naturalmente, os sanguíneos, geralmente, são excelentes vendedores, já que são muito convincentes.
Além de bons vendedores, são excelentes atores e oradores. São notáveis mestres de cerimônias, leiloeiros e, algumas vezes, líderes (se devidamente misturados com outros tipos de temperamento).
Na área de ajuda ao próximo, são excelentes como trabalhadores de hospitais. Conseguem “levantar” os doentes com seu encanto natural. A compaixão deste médico em relação ao seu caso quase vale a conta exorbitante que ele for cobrar (pois os sanguíneos nunca são moderados em coisa alguma).
Seja qual for o trabalho dos sanguíneos, deve com certeza ser algum que exija contato abundante com pessoas. Porém um sanguíneo não presta muita atenção nos detalhes, o que deve afastá-lo de profissões que pedem esse tipo de característica.
A falta de disciplina também pode ser um problema para um sanguíneo. Mas não há nada que o impeça de realizar o melhor possível onde estiver.

Colérico
Qualquer profissão que requeira liderança, motivação e produtividade, está aberta para os coléricos, contanto que não exija muita atenção aos detalhes nem planejamentos analíticos. Reuniões de comissão e planejamento são muito chatas para eles, pois são executores.
A maioria dos empresários tem influência do temperamento colérico. Eles formulam ideias e mostram-se aventureiros o bastante para se lançarem em novas direções. Mas os coléricos não são distribuidores de responsabilidades e tendem a gostar mais do fruto de seu trabalho do que de outros. Como consequência, preferem fazer tudo sozinhos, mas como são produtivos, passam a preferir trabalho em grupo, o qual tem uma produção bem maior.
Sua fraqueza primária como líder é a de serem muito difíceis de agradar e tendem a passar com ímpeto sobre as pessoas. O estilo de liderança do colérico é o de criticar e “castigar” para que os que estão sob sua autoridade sejam mais produtivos. Mas quando descobrem que o estímulo, a aprovação e o encorajamento são mais eficientes, sua liderança melhora radicalmente.
Sua vontade forte e outras características citadas anteriormente o fazem parecer mais espertos do que os outros. Mas não quer dizer necessariamente que eles sejam. É apenas o temperamento que pode ajudar a passar essa impressão.

Melancólico
Geralmente, nenhum outro temperamento tem tanta criatividade ou imaginação como os indivíduos melancólicos, e ninguém é mais perfeccionista. A maioria dos grandes compositores, artistas, músicos, inventores, filósofos, teóricos, teólogos, cientistas e educadores dedicados são melancólicos.
Alguns dizem que quanto mais genial o artista, maior é o seu grau de melancolia. E, qualquer profissão que requeira perfeição, autos sacrifício e criatividade, será uma boa opção aos melancólicos. Entretanto, tendem a impor limitações ao seu potencial subestimando-se e criando obstáculos exagerados. Qualquer vocação humanitária atrairá indivíduos melancólicos ao grupo de trabalho. Embora existam exceções, quase todos os médicos são predominantemente do tipo melancólico, ou melancólico secundário. O que é natural, pois um médico precisa ser perfeccionista, um especialista. Assim como todo verdadeiro músico e também engenheiros, cientistas e bombeiros.
Uma vocação que parece atrair sujeitos melancólicos, surpreendentemente, é a de ator, embora identifiquemos nessa profissão pessoas mais extrovertidas. No palco, os melancólicos podem tornar-se outras pessoas e até adotar a nova personalidade, sem importar a extroversão que é necessária; mas assim que a peça terminar, eles descerão do seu ponto alto emocional e reverterão à sua própria personalidade, mais introvertida.
Nos negócios, os melancólicos podem sofrer frustrações pelos usuais problemas pessoais e com suas exigências perfeccionistas não atendidas.

Fleumático
O mundo tem-se beneficiado grandemente da natureza graciosa dos fleumáticos. À sua maneira quieta, se mostram cumpridores dos sonhos de seus semelhantes. Eles são mestres em qualquer atividade que necessite paciência meticulosa e rotina diária.
Tem bastante facilidade para dar aulas para crianças, por sua enorme paciência e jeito calmo. Outro campo que necessita dos fleumáticos é a engenharia. Atraídos por planejamento e cálculos, eles se dão muito bem nas áreas que englobam essa característica.
Fleumáticos experientes em suas áreas também se tornam excelentes gerentes de outras pessoas. Visto que são diplomáticos e não abrasivos, as pessoas trabalham bem com eles. Quando recebem posição de liderança, parece que impõem ordem ao caos e produzem uma harmonia de trabalho que conduz ao aumento da produtividade. Eles são bem organizados, nunca chegam atrasados em reuniões, tendem a trabalhar melhor sob pressão e são extremamente confiáveis. Mesmo executando essa tarefa com destreza, eles não gostam de assumir muitas responsabilidades e posições de autoridade. Por isso, é pouco provável de se ver um fleumático num cargo de liderança.

2.   Justificativa


Resolvemos trabalhar o tema “Os Quatro Temperamentos Humanos” por ser algo que uma pequena parte da população conhece, e que todos nós vivenciamos.
Nós lidamos com este tema em todos os momentos de nossa vida: é comum falarmos sobre o comportamento de alguém, criticando ou elogiando; também é comum falarmos sobre as nossas próprias atitudes. Apesar disso, quase nunca paramos para pensar no porquê de nossas atitudes serem como são. E é a partir deste fato que surge nossa justificativa. Escolhemos este tema, pois, ao aumentarmos nosso conhecimento sobre assunto, nossa capacidade de entender a nós mesmos e àqueles que nos cercam também é acrescida.






3.   Objetivos


3.1.        Objetivo Geral


            Todo trabalho necessita de um foco. Todo trabalho necessita de um eixo, uma linha de raciocínio a ser seguida. Nosso trabalho não é diferente: nós possuímos um objetivo.
            Como dito anteriormente, o que nos motivou a trabalhar com os quatro temperamentos humanos foi a presença deste tema em nosso viver. Quando conhecemos este assunto sabemos o porquê agimos como agimos. Portanto, o objetivo geral de nosso trabalho pode ser resumido em: entender nossas atitudes.

3.2.        Objetivos Específicos


            Para chegar ao nosso objetivo geral de entender as atitudes humanas, se tornou necessária a realização de algumas etapas. Estas etapas são chamadas de objetivos específicos e estão listadas abaixo:
·         Apresentar o tema às pessoas;
·         Analisar as características das mesmas;
·         Analisá-las diante de determinadas situações;
·         Definir o porquê das atitudes cotidianas deste indivíduo.



DESENVOLVIMENTO


1.   População


            Para realizar nossa pesquisa, utilizamos como população os habitantes da cidade de Bauru.
            A cidade possui, segundo dados fornecidos em seu website, 359.429 habitantes (est. IBGE/2009), ficando em 17º lugar no Estado de São Paulo quanto ao número de habitantes.



2.   Amostra


            Em nossa pesquisa foram distribuídos 240 questionários. Como amostra para a coleta de dados, utilizamos os seguintes pontos da cidade:
·         Colégio Técnico Industrial “Isaac Portal Roldán” – UNESP, onde foram entregues 68 questionários;
·         Superintendência de Controle de Endemias, onde foram entregues 47 questionários;
·         Triata, onde foram entregues 25 questionários;
·         Departamento de Água e Esgoto de Bauru, onde foram entregues 32 questionários;
·         Green Ville, onde foram entregues 19 questionários;
·         Colégio Guedes de Azevedo, onde foram entregues 29 questionários;
·         Centro Espírita Amor e Caridade, onde foram entregues 20 questionários.

3.   Objetivos das questões


            Quando relacionadas ao objetivo, nossas questões podem ser divididas em alguns grupos. Primeiramente, as questões de número 1 e 2, nos fornecem os dados pessoais dos entrevistados. A questão 3, por sua vez, nos permite analisar o grau de  conhecimento do entrevistado a respeito do tema. As questões de 4 a 15 tem caráter geral, ou seja, nos dão uma visão superficial do perfil do indivíduo, a qual ajudará na classificação do temperamento do mesmo. Por último, as questões de 16 a 21, são específicas, apresentando situações e questionando o entrevistado a respeito de sua reação; desta maneira, podemos concluir qual é o seu temperamento.


4.   Questionário



5.   Gráficos e Tabelas


            As tabelas foram formuladas a partir dos questionários respondidos e os gráficos a partir das respectivas tabelas.
            Para interpretação das tabelas é necessário o uso da seguinte legenda:

Fi
frequência
Fri(%)
frequência relativa percentual
FAC
frequência acumulada
FAC(%)
frequência acumulada percentual



5.1.        Questão 1 – Qual é o seu gênero?


Gênero:
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Feminino
119
49,58
119
49,58
Masculino
121
50,42
240
100
TOTAL
240
100





Explicação: 49,5% de nossa amostra foi composta por indivíduos do sexo feminino e 50,5% por indíviduos do sexo masculino. Pode-se perceber que há praticamente um empate quando comparamos os dois percentuais. Esse fato foi proposital: “selecionamos” a mesma quantidade de pessoas nos dois diferentes gêneros para tornar nossa amostra proporcional.



5.2.        Questão 2 – Quantos anos você tem?

           

Rol:
14       14       15       16       16       17       19       21       26       30       40       46
14       14       15       16       16       17       19       21       26       31       40       46
14       14       15       16       16       17       19       22       26       32       40       46
14       14       15       16       16       17       19       22       26       32       42       48
14       14       15       16       16       18       19       22       26       32       42       49
14       14       15       16       16       18       19       22       26       33       42       49
14       14       15       16       16       18       19       22       26       33       42       49
14       15       15       16       16       18       19       22       26       33       42       49
14       15       15       16       16       18       19       22       27       34       42       49
14       15       15       16       17       18       19       23       27       35       43       49
14       15       15       16       17       18       20       23       28       37       44       51
14       15       15       16       17       18       20       23       28       37       44       52
14       15       16       16       17       18       20       23       29       38       45       55
14       15       16       16       17       18       20       23       29       38       45       56
14       15       16       16       17       18       20       24       29       38       45       56
14       15       16       16       17       18       20       24       29       39       45       76
14       15       16       16       17       18       21       25       29       39       45       82
14       15       16       16       17       18       21       25       30       39       45       92


Classes
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
14 |-- 30
179
74,58
179
74,58
30 |-- 46
42
17,50
221
92,08
46 |-- 62
16
6,67
237
98,75
62 |-- 78
1
0,42
238
99,17
78 |-- 94
2
0,83
240
100,00
TOTAL
240
100



Média
24,57
Moda
16
Mediana
18
Desvio Padrão
13,02
Desvio Médio
10,10












Explicação: Nossa amostra possui indivíduos de diferentes idades, porém, se concentra em pessoas na idade produtiva, ou seja, estudantes e trabalhadores. Distribuímos as idades dessa maneira para podermos avaliar o perfil do trabalhor e do estudante atual e medir o quanto seu temperamento é “moldado” pelo seu ambiente de trabalho.


5.3.        Questão 3 – Você já ouviu falar sobre os quatro temperamentos humanos?


Você já ouviu falar dos quatro temperamentos humanos?
fi
Fri(%)
FAC
FAC(%)
Sim
93
38,75
93
38,75
Não
147
61,25
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Através desse gráfico notamos a falta de conhecimento em relação ao assunto já que apenas 39% de nossa amostra já havia ouvido falar a respeito dos quatro temperamentos humanos. Este pode parecer um índice alto, porém devemos considerar que muitas dessas pessoas ouviram apenas algum comentário sobre, e podem não conhecer o assunto realmente.


5.4.        Questão 4 – Você se comporta de maneira:


Você se comporta de maneira:
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Introvertida
90
37,50
90
37,50
Extrovertida
150
62,50
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Através desse gráfico notamos que a maioria de nossa amostra (63%) se comporta de maneira extrovertida. Algumas dessas pessoas podem ter desenvolvido essa característica ao longo do tempo para poder se encaixar em seu ambiente de trabalho, escola, ou até mesmo em seu grupo de amigos.


5.5.        Questão 5 – Você fala rápido e espontaneamente?


Você fala rápido e espontaneamente?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
149
62,08
149
62,08
Não
91
37,92
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Como vimos anteriormente, a maioria de nossa amostra se comporta de maneira extrovertida. Geralmente, pessoas com essa característica são muito desenvoltas e não encontram problemas para se expressar, desenvolvendo a habilidade de falar rápido e de maneira espontânea. Neste fato se justifica os 62% que responderam “SIM” quando questionados a respeito de sua fala ser rápida e espontânea.


5.6.        Questão 6 – Você precisa pedir desculpas com frequência?


Você precisa pedir desculpas com frequência?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
70
29,17
70
29,17
Não
170
70,83
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: O gráfico acima indica que 71% de nossos entrevistados costumam pedir desculpas com frequência e 29%, não. Podemos concluir, portanto que grande parte de nossos entrevistados possuem, como principal ou secundário, o temperamento melancólico.


5.7.        Questão 7 – Você tem reações altamente emocionais e intensas?


Você tem reações altamente emocionais e intensas?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
122
50,83
122
50,83
Não
118
49,17
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Reações altamente emocionais e intensas são associadas ao temperamento sanguíneo. Provavelmente, os 51% de indivíduos, que responderam “SIM”, possuem características do temperamento sanguíneo em sua personalidade.


5.8.        Questão 8 – Você fala lenta e quietamente?


Você fala lenta e quietamente?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
74
30,83
74
30,83
Não
166
69,17
240
100,00
TOTAL
240
100


           


Explicação: Novamente, os índices de pessoas com características extrovertidas se confirmam. Apenas 31% de nossa amostra falam lenta e quietamente, ou seja, possuem características introvertidas.


5.9.        Questão 9 – Você soletra bem?


Você soletra bem?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
166
69,17
166
69,17
Não
74
30,83
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Como podemos observar que 69% de nossos entrevistados dizem soletrar bem. A partir dessa informação, podemos concluir que estes entrevistados possuem características do temperamento melancólico.


5.10.     Questão 10 – Você se sai bem em matemática e nos detalhes?


Você sai bem em matemática e nos detalhes?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
150
62,50
150
62,50
Não
90
37,50
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: 62% de nossos entrevistados dizem se sair bem em matemática e 38% dizem que não. Podemos dizer, portanto, que estes 62% provavelmente possuem o temperamento colérico como seu primeiro ou segundo temperamento.


5.11.     Questão 11 – Você fica deprimido facilmente?


Você fica deprimido facilmente?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
97
40,42
97
40,42
Não
143
59,58
240
100,00
TOTAL
240
100






Explicação: Como notamos no gráfico acima, 60% dos entrevistados responderam que não ficam deprimidos facilmente e 40% dos entrevistados responderam que ficam. Isso nos mostra que a maioria não é classificada como pessoas de temperamento emotivo, sanguíneo ou melancólico, mas sim de temperamento mais frio, como colérico e fleumático. 


5.12.     Questão 12 – Você tem habilidades com música ou artes?


Você tem habilidades com música ou artes?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
109
45,42
109
45,42
Não
131
54,58
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Podemos notar nesse gráfico que, de 240 entrevistados, somente uma porcentagem de 45% tem habilidades com música. Pode se dizer então que estes possuem algum tipo de ligação com o temperamento melancólico, sendo este talvez seu primeiro ou segundo temperamento ou o indivíduo convive com pessoas melancólicas.



5.13.     Questão 13 – Você se apega e desapega facilmente às pessoas?


Você se apega e desapega facilmente às pessoas?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
101
42,08
101
42,08
Não
139
57,92
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Ao observar o gráfico da questão 13 do nosso questionário, notamos que 42% dos entrevistados se apegam e desapegam facilmente às pessoas. Essa característica compõe o temperamento sanguíneo, sendo assim, 42% dos entrevistados tem uma possibilidade de ter este como primeiro ou segundo temperamento.



5.14.     Questão 14 – Você gosta de assumir responsabilidades?


Você gosta de assumir responsabilidades?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
154
64,17
154
64,17
Não
86
35,83
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: Com base no gráfico acima, notamos que 64% dos entrevistados gostam de assumir responsabilidades, sendo essa uma característica marcante do temperamento colérico. Numa visão geral, podemos dizes que estes tem potencial para pessoas de temperamento colérico, pois os outros três temperamentos, principalmente fleumático e melancólico, costumam fugir das responsabilidades.


5.15.     Questão 15 – Você é bem humorado (a) e diplomata?


Você é bem humorado e diplomata?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Sim
171
71,25
171
71,25
Não
69
28,75
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: No gráfico acima notamos que 71% das pessoas responderam são bem humorados e diplomatas e 29% disseram que não são. Dessa forma concluímos que a maioria dos entrevistados possui, no mínimo, uma característica do temperamento fleumático.


5.16.     Questão 16 – Quando você está em seu grupo de amigos, como você se comporta?


Quando você está em seu grupo de amigos, como você se comporta?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
De forma expressiva e exagerada, falando à vontade e prendendo a atenção das pessoas.
31
12,92
31
12,92
É extrovertido, fala à vontade, mas de forma mais deliberada. Gosta de debater e argumentar, além de usar muito sarcasmo.
94
39,17
125
52,08
Pensa muito antes de falar, não gosta de interromper as pessoas, mas quando começa a discursar não para até completar sua ideia.
80
33,33
205
85,42
Quase não fala e nunca entra em debates, mas responde as perguntas com bom humor.
35
14,58
240
100,00
TOTAL
240
100




Explicação: Analisando o gráfico da questão 16 do nosso questionário, notamos que 13% de 240 entrevistados assinalaram a alternativa que condizia com a reação dos sanguíneos num grupo de amigos, esta dizia que são expressivos e exagerados, que falam a vontade pretendendo chamar a atenção de todos; 39% respondem que são extrovertidos, mas de forma deliberada, que gostam de debater, argumentar e usam sarcasmo, sendo essa a reação dos coléricos; 33% assinalaram a alternativa que descreve a atitude dos melancólicos: são contínuos em sua ideia, não interrompem discursos alheios e que pensam muito antes de falar e os 15% restantes assinalaram a alternativa que, em seu grupo de amigos, quase não falam e nunca entram em debates, mas respondem as perguntas com bom humor, característica dos fleumáticos.



5.17.     Questão 17 – Quando você está em uma discussão costuma:


Quando você está em uma discussão costuma:
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Ser impulsivo
84
35,00
84
35,00
Ser agressivo
32
13,33
116
48,33
Guarda ressentimento
48
20,00
164
68,33
Ser calmo e frio
76
31,67
240
100,00
TOTAL
240
100







Explicação: Nesse gráfico, 35% dos entrevistados assinalaram a alternativa correspondente à atitude dos sanguíneos, que quando estão em uma discussão costumam ser impulsivos; 13% responderam que são agressivos, característica dos coléricos; 20% assinalaram a alternativa correspondente a atitudes dos melancólicos, guardam ressentimento e os 32% restantes assinalaram a que diz serem calmos e frios, uma tendência dos fleumáticos. Assim, o maior percentual está na reação dos sanguíneos e o menor percentual está na reação dos coléricos.


5.18.     Questão 18 – Quando vai fazer uma atividade em grupo, você:


Quando vai fazer atividade em grupo, você:
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Tem dificuldade de se concentrar, é facilmente desencorajado e tem dificuldade em resolver problemas.
31
12,92
31
12,92
É pratico determinado, líder e dominador.
89
37,08
120
50,00
É criativo, desconfiado, perfeccionista e indeciso.
93
38,75
213
88,75
É lento e preguiçoso, indeciso, eficiente e teimoso.
27
11,25
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: No gráfico acima, 39% dos entrevistados assinalaram a alternativa correspondente ao perfil dos melancólicos numa atividade em grupo, que é criativo, desconfiado, perfeccionista e indeciso. E o menor percentual, de 11% dos entrevistados, está relacionado ao perfil dos fleumáticos, que é lento e preguiçoso, indeciso, eficiente e teimoso.


5.19.     Questão 19 – Em uma competição, como você reage?


Em uma competição, como você reage?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Desanima facilmente e não é muito competitivo
24
10,00
24
10,00
Dotado de vontade forte e ambicioso, ou seja: competitivo.
112
46,67
136
56,67
Antecipa os problemas e dificuldades da competição e se sacrifica.
59
24,58
195
81,25
Não se envolve muito, não tem espírito competitivo.
45
18,75
240
100,00
TOTAL
240
100





Explicação: No gráfico da questão 19, 47% dos 240 entrevistados assinalaram a alternativa correspondente à reação dos coléricos numa competição afirmando que são dotados de vontade forte e ambiciosos, ou seja, são competitivos. O menor percentual é de 10%, correspondente à reação dos sanguíneos, estes desanimam facilmente e não são muito competitivos.


5.20.     Questão 20 – Como você se comporta no seu trabalho ou escola?


Como você se comporta no seu trabalho ou escola?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Distrai-se facilmente e é desorganizado
62
25,83
62
25,83
É eficiente e faz as tarefas rapidamente
47
19,58
109
45,42
É organizado e faz tudo no prazo certo
86
35,83
195
81,25
É sistemático e trabalha melhor sob pressão
45
18,75
240
100,00
TOTAL
240
100






Explicação: No gráfico acima, notamos que 36% de 240 pessoas responderam que são organizados e fazem tudo no prazo certo, sendo este o comportamento do melancólico no seu trabalho ou na escola. E como menor percentual, obtemos 19%. 19% responderam que são sistemáticos e trabalham melhor sob pressão e 19% responderam que são eficientes e fazem as tarefas rapidamente.


5.21.     Questão 21 – Em um trabalho em grupo, como você se comporta?


Em um trabalho em grupo, como você se comporta?
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Discute as ideias, buscando descobrir qual é a melhor
120
50,00
120
50,00
Impõe suas ideias e não aceita as ideias dos outros integrantes
21
8,75
141
58,75
Escuta todas as ideias e pensa muito antes de dar a sua opinião
75
31,25
216
90,00
Fica aguardando as propostas serem discutidas e aceita a escolha do grupo, sem propor ou participar das reuniões
24
10,00
240
100,00
TOTAL
240
100



Explicação: No último gráfico, tivemos como maior percentual 50%, estes assinalaram a opção correspondente ao comportamento dos sanguíneos, que num trabalho em grupo discutem as ideias buscando descobrir qual é a melhor. E como menor percentual temos 9%, que assinaram a alternativa que afirmam que impõem suas ideias e não aceitam as ideias dos outros integrantes.


            Ao longo do trabalho evoluímos em relação a vários aspectos: aprendemos a trabalhar em grupo, como se portar em situações difíceis e, além disso, pudemos aprender mais sobre o tema proposto.
            Depois de realizadas as pesquisas, tiramos nossas próprias conclusões a respeito do temperamento dos entrevistados. Como sabido, os temperamentos existentes são: colérico, fleumático, melancólico e sanguíneo. De acordo com nossas pesquisas, 80 entrevistados possuem o temperamento colérico, 44 são fleumáticos, 80 possuem características do temperamento melancólico e 36 se encaixam no perfil sanguíneo.
            A partir disso, geramos a seguinte tabela e o seguinte gráfico:

Temperamentos
fi
Fri (%)
FAC
FAC (%)
Colérico
80
33,33
80
33,33
Fleumático
36
15,00
116
48,33
Melancólico
80
33,33
196
81,67
Sanguíneo
44
18,33
240
100,00
TOTAL
240
100






            Lembramos que não somos especialistas no assunto. Todas as conclusões acima não são comprovadas e foram feitas apenas com base na pesquisa realizada para este trabalho. Somos leigos no assunto e, portanto, não afirmamos com certeza o temperamento dos entrevistados.



AGRADECIMENTOS


            Queremos agradecer primeiramente a Deus, por ter nos guardado e nos guiado durante todo esse tempo. Somos gratos aos nossos pais e familiares em geral, que nos deram o apoio e estrutura, nos ajudando em tudo quanto foi necessário para a realização do trabalho.
            Além disso, nossa gratidão se destina aos professores Rodrigo Carvalho e Silmara Sanches, os quais nos ensinaram com paciência todos os passos, avaliaram e observaram de perto cada etapa, dando os essenciais e totalmente pertinentes conselhos de que tanto precisávamos.
            Agradecemos a abertura que recebemos por parte dos responsáveis dos locais nos quais passamos para realizar nossa pesquisa, e também às pessoas que responderam os questionários, fazendo assim, parte desse projeto.
            Finalmente, aqui queremos expressar nossa enorme gratidão à coordenadoria do Colégio Técnico Industrial, que nos deu toda estrutura necessária e essa incrível oportunidade de crescermos intelectualmente.



REFERÊNCIAS


1.   Bibliografia


LAHAYE, T. Por que agimos como agimos?. Abba Press Editora e Divulgadora Cultural Ltda. p:369.

2.   Infografia


http://www.efdeportes.com/efd125/perfil-psicologico-de-estudantes-praticantes-de-atividade-fisica.html; 








ANEXOS


1. Textos consultados

           
Os textos a seguir foram copiados na íntegra. Não nos responsabilizamos por qualquer erro gramatical neles apresentados.

1.1.        Perfil psicológico de estudantes na faixa etária de 15 – 17 anos praticantes de atividade física em uma escola da rede pública de Santa Maria


Resumo
          O objetivo deste estudo foi verificar o perfil psicológico de estudantes na faixa etária de 15 – 17 anos, praticantes de atividade física e qual a atividade física praticada no contexto escolar. Fizeram parte da amostra 153 alunos do Ensino Médio, de ambos os sexos, sendo 79 do sexo feminino e 74 do sexo masculino de uma escola da rede pública da cidade de Santa Maria. Como instrumento de coleta, utilizou-se o Questionário de Eysenck, o qual permite revelar os seguintes traços da personalidade dos sujeitos: Instabilidade-Estabilidade Emocional (I-EE) e Extroversão- Introversão (EX-IN). Os resultados indicaram que os sujeitos do sexo feminino possuem valores médios mais elevados nos traços (I-EE) e (EX-IN) de seu sistema nervoso, quando comparados aos sujeitos do sexo masculino. Dos 153 adolescentes participantes da amostra, 54% apresentaram tendência ao temperamento colérico, 24% apresentaram tendência ao temperamento sangüíneo, 16% apresentaram tendência ao temperamento melancólico e 6% adolescentes apresentam tendência ao temperamento fleumático. A partir desses resultados, pode-se inferir que os adolescentes do sexo masculino e do sexo feminino, participantes do estudo, caracterizam-se, na sua maioria, por apresentarem comportamentos extrovertidos e serem instáveis em suas reações e emoções, caracterizando pessoas com o temperamento colérico e sangüíneo, o que confirma a literatura da área, a qual refere que pessoas com tendência a temperamento colérico e sangüíneo dão preferência à prática de esportes coletivos, como handebol, basquete, voleibol, futsal, entre outros.
          Unitermos: Traços de personalidade. Temperamento. Educação Física escolar.
 Abstract
          The objective of this study was to verify the psychological profile of students in the age band of 15 - 17 years, practitioners of physical activity in the schools and which the relation of this profile with the physical activity. 153 pupils of Average Education both had been part of the sample sorts, being 79 of feminine sex and 74 of the masculine sex of schools of the public network of the city of Saint Maria. As collection instrument, the Questionnaire of Eysenck was used, which allows to disclose the following strokes of the personality of the citizens: Emotional Instability - Stability (I-EE) and Extroversion - Introversion (EX-IN). The results had indicated that the citizens of the feminine sex possess higher average values in strokes (I-EE) e (EX-IN) of its nervous system, when compared to the citizens of the masculine sex. Of the 153 participant adolescents of the sample, 54% had presented trend to the fiery-tempered temperament, 24% had presented trend to the sanguine temperament, 16% had presented trend to the melancholic temperament and 6% adolescents present trend to the phlegmatic temperament. To leave of these results, he can yourself be inferred that the adolescents of the masculine sex and the feminine sex, participant of the study, characterize themselves, in its majority, for presenting extrovert behaviors and being unstable in its reactions and emotions, characterizing people with the fiery-tempered and sanguine temperament, what he confirms the literature of the area, which relates that people with trend the fiery-tempered and sanguine temperament give preference to the practical one of collective sports, as handball, basketball, volleyball, soccer, among others.
          Keywords: Traces of personality. Temperament. Fitness school.

 Introdução
    A personalidade é um fenômeno complexo, e existem várias definições para ela. Segundo Allport (1966), personalidade é uma organização dinâmica do indivíduo, dos seus sistemas psicofísicos que determinam seu comportamento e seu pensamento característicos, são as relações do conjunto corpo-mente, que interagem mutuamente e que motivam e influencia seus pensamentos e atos, o que é determinante no processo de adaptação de cada pessoa. Assim, conforme o autor a personalidade é a soma total do efeito provocado por um indivíduo na sociedade, representa hábitos ou ações que conseguem influir em outras pessoas, representa respostas apresentadas pelos outros ao indivíduo, considerando como estímulo. A personalidade é o que os outros pensam de você.
    Nuttin (1969) diz que a personalidade é uma construção científica que tenta definir, a partir de comportamentos observados, a maneira de ser e funcionar do organismo psicofísiológico que é a pessoa humana. Já para Davidoff (2001), personalidade é algo que as pessoas possuem, descrevem, por meio de palavras, como sendo, amistosa, delicada, determinada, agressiva entre outras, é a maneira que a pessoa habitualmente aparenta ao comportar-se diante das outras. Isso quer dizer que a personalidade consiste nas características e maneiras distintas de como um indivíduo se comporta.
    Existem várias abordagens para o estudo de personalidade, mas, no presente estudo, será utilizada a teoria dos traços de personalidade com enfoque no temperamento. Embora as pessoas possam ter traços em comum, a personalidade é singular, própria de cada ser (FERNANDES, 1992).
    Segundo Paim (2007), temperamento é a base biológica da personalidade, é o que se herda dos pais. Temperamento é a maneira espontânea de ser, de pensar e sentir, de agir e reagir de cada um desde a concepção. Ele revela o que se é por natureza, o caráter e a personalidade, o que se consegue pela interação com o meio.
    O temperamento aparece mais como um retrato fisiológico do Ser humano; o caráter, como a sua fisionomia moral; a personalidade, como esplendor que se radica e se afirma nas raízes do temperamento. O temperamento contém, igualmente, as predisposições naturais da atividade e passividade física e mental. Existem os tipos ativos por natureza, aqueles que não conseguem ficar parados, querem movimento, trabalho, irradiam um dinamismo espantoso se comparados com os de temperamentos passivos (NOVAIS 1977).
    O temperamento refere-se aos fenômenos característicos da natureza emocional de um indivíduo, na qual se incluem sua suscetibilidade à estimulação, a intensidade e rapidez usuais de resposta, a qualidade de sua disposição predominante e todas as peculiaridades de flutuação e intensidade de disposição. Tais fenômenos são vistos como dependentes da organização constitucional, e, portanto, como, em grande parte, originários da hereditariedade (ALLPORT, 1966).
    Mesmo com toda essa influência genética na estrutura do temperamento, Novais (1977), diz que o temperamento pode ser controlado, visto que, um homem e ou uma mulher de traços impulsivos podem dominar-se e até conseguir uma aparência de uma pessoa calma. De acordo com o autor quem conhece bem seu temperamento, conhece a si mesmo, como também conhece as outras pessoas, sua maneira de ser, de sentir, de pensar, de falar, de agir e de reagir. Só o conhecimento dos outros pode ajudar um indivíduo a compreendê-los melhor.
    Os principais tipos de temperamento são o colérico, o sangüíneo, o fleumático e o melancólico (Samulski, 2002; Kalinine, 1992). Eles são assim definidos:
Colérico: impaciente, possui iniciativa, teimoso, tem movimentos rápidos e facilmente se irrita;
Sangüíneo: alegre, sociável, persistente, energético e autoconfiante;
Fleumático: passivo, calmo, e de sangue frio, cuidadoso e controlado;
Melancólico: triste e mal humorado, pessimista, reservado e insociável.
    Conforme Kalinine & Giacomini (1998), existe um quinto tipo de temperamento, o intermediário, que é a mistura dos outros quatro tipos de temperamentos. Esses autores supõem que a maioria das pessoas tenha esse tipo de temperamento. Nos intermediários, os processos de excitação e inibição, que ocorrem no sistema nervoso, são médios, e a sensibilidade tem nível médio. Através da educação, da cultura, podem ser moldados temperamentos intermediários. Por exemplo: dependendo da educação recebida, uma criança com esse temperamento pode ser: intermediário com tendências a sangüíneo; intermediário com tendências a colérico; intermediário com tendência a fleumático, ou intermediário com tendência a melancólico.
    O desenvolvimento da personalidade se deve ao desenvolvimento integral de um indivíduo (desenvolvimento motor, cognitivo, motivacional, social e emocional) da infância até a idade adulta. De acordo com Samulski (2002), o desenvolvimento da personalidade pode ser influenciado num grau elevado através de processos de aprendizagem, de socialização, pelo esporte entre outros.
    A atividade física ou esportiva é muito importante para o desenvolvimento da personalidade. Por intermédio do esporte, pode se promover positivamente a disposição para o comportamento social, a estabilidade emocional, a motivação para o rendimento, a autodisciplina e a força de vontade. Para o rendimento esportivo, tornam-se necessárias igualmente características de personalidade como capacidade de liderança, dominância, extroversão e comunicação social (SAMULSKI, 2002).
    Segundo Samuslki (2002), as relações entre esporte e personalidade são representadas, na Psicologia do esporte, por três diferentes hipóteses:
Hipótese da seleção: o esporte é considerado como fator de seleção. Geralmente as pessoas orientadas para o rendimento se dedicam ao esporte competitivo, as pessoas agressivas se interessam pelo boxe, e as pessoas introvertidas têm preferência pelos esportes individuais.
Hipótese de socialização: o esporte é importante fator de socialização. A atividade esportiva influencia a personalidade e o desenvolvimento da personalidade de uma forma específica, alterando, por exemplo, a motivação para o rendimento, o comportamento agressivo, a liderança e a comunicação social e
Hipótese de interação: os processos de seleção e de socialização influenciam-se de forma recíproca. O boxeador que, por sua natureza, já é agressivo se torna mais dominante ainda, o atleta de alto nível se torna mais dominante e o atleta de esporte coletivo se torna mais extrovertido.
    Samulski (2002), tendo como base os estudos de Eysenck, comenta que os esportistas tendem a um temperamento extrovertido, apresentam baixos índices de neurose, ansiedade e depressão quando comparados aos não-desportistas e que os esportistas de modalidades individuais tendem mais à introversão, são menos motivados para contatos sociais, têm um nível de agressividade menor e parecem mais criativos do que atletas de modalidades coletivas, os quais tendem mais à extroversão e são mais motivados para estabelecer contatos sociais.
    Tendo como suporte teórico o estudo da personalidade, o presente estudo investigou os traços de personalidade: Introversão – Extroversão e Instabilidade – Estabilidade emocional, ou seja, alguns componentes do temperamento. Para investigar esses traços, optou-se pelo questionário de Eysenck (Paim 2002), por ser um questionário que permite realizar a aproximação entre o temperamento e a atividade física. Por intermédio dos resultados da presente pesquisa, será possível auxiliar os professores de Educação Física, Técnicos e Psicólogos Esportivos a entenderem o temperamento e os traços de personalidade dos alunos e qual a relação desses com a atividade física, tendo a finalidade de promover um entendimento e um crescimento individual e pessoal dos alunos. Face ao exposto, elegeu-se, como objetivo de estudo: Verificar o perfil psicológico de estudantes na faixa etária de 15 – 17 anos, praticantes de atividade física nas escolas da Rede Pública de Santa Maria e qual a atividade física praticada no contexto escolar



Metodologia
    Fizeram parte da amostra 153 alunos do Ensino Médio na faixa etária de 15 – 17 anos, de ambos os sexos, sendo 79 do sexo feminino e 74 do sexo masculino. Como instrumento metodológico foi utilizado o “Questionário de Eysenck”, com a finalidade de diagnosticar os seguintes traços de personalidade, Instabilidade Emocional / Estabilidade Emocional (IE – EE) e Extroversão e Introversão (EX – IN). O “Questionário de Eysenck se destacou entre outras metodologias pelo seu grau de fidedignidade p<0,05. Este instrumento permite ao pesquisador conhecer os seres humanos com temperamento sangüíneo, colérico, fleumático, melancólico. O questionário é composto por 57 perguntas, sobre vários temas relacionados ao cotidiano de cada pessoa, tendo sempre como resposta para as indagações as expressões “Sim” ou “Não”. Os dados foram submetidos à análise através do sistema SAS. Os resultados foram analisados com métodos da estatística paramétrica (média e desvio Padrão).
Resultados e discussões
    Traços de Personalidade Etroversão – Introversão (EX – IN) e Instabilidade Emocional – Estabilidade Emocional (IE – EE) dos estudantes do sexo masculino e feminino.
Tabela 1. Média, desvio padrão, diferença entre as médias e resultados do teste z de Student Traços de Personalidade Extroversão – Introversão (EX - IN) e Instabilidade – Estabilidade Emocional (IE – EE) dos estudantes do sexo masculino e feminino, praticantes de atividade física.

Onde:
M: Sujeitos do sexo masculino, n= 74
F: Sujeitos do sexo feminino, n= 79
z: Teste Normal
    Os dados da tabela 1 mostram os Traços de Personalidade dos Estudantes do sexo masculino e feminino praticantes de atividade física, onde foi encontrado para Extroversão – Introversão para o masculino, valores médios de 13,85 com desvio padrão de 2,91 e para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de Média de 12,15 e desvio padrão de 3,99; Para os estudantes do sexo feminino foi encontrado para Extroversão – Introversão, valores médios de 14,85 com desvio padrão de 2,32 e para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de Média de 14,3 e desvio padrão de 3,51.
    Quando analisamos as diferenças entre as médias do grupo masculino e feminino dos traços de Personalidade Extroversão – Introversão encontrou-se índice de z= -2, 34, p<0,05, indicando que há diferença entre as médias. Para Estabilidade Emocional – Instabilidade Emocional encontrou-se índice de z= -3, 48, p<0,05, indicando que há diferença entre as médias. Pode-se observar que, os sujeitos do sexo feminino possuem valores médios mais elevados no traço Extroversão-Introversão de seu sistema nervoso, do que os sujeitos do sexo masculino. Através da análise dos resultados obtidos pelo Eysenck Personality Inventory são considerados para introversão índices menores e para a extroversão índices maiores. Pode-se observar que, os sujeitos do sexo feminino possuem valor médio mais elevado no traço Instabilidade Emocional – Estabilidade Emocional de seu sistema nervoso, do que os sujeitos do sexo masculino. Através da análise dos resultados obtidos pelo Eysenck Personality Inventory são considerados para Estabilidade Emocionais índices menores e para a Instabilidade Emocionais índices maiores. Através dessa comparação pode-se dizer que os índices obtidos no presente estudo, para ambos os sexos, encontram-se em níveis acima da média, apresentando uma tendência a Extroversão e a Instabilidade Emocional.
Temperamento dos estudantes do sexo feminino e masculino praticantes de esporte coletivo
Tabela 2. Média, desvio padrão e Temperamento dos estudantes do sexo masculino e feminino praticantes de atividade física.

    Os dados da Tabela 3 mostram a tendência ao tipo de temperamento dos 74 adolescentes do sexo masculino e das 79 adolescentes do sexo feminino praticantes de atividade física.
    Para o temperamento sangüíneo, foram encontrados no masculino para Extroversão e Introversão valores médios de 15,52 com desvio padrão de 1,8 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 8,0 com desvio padrão de 2,31; No feminino para Extroversão e Introversão foram encontrados valores médios de 15,15 com desvio padrão de 1,95 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 9,4 com desvio padrão de 1,61. Estes índices segundo Kalinine (1999) caracterizam pessoas com sistema nervoso alto, móvel e equilibrado, ou seja, pessoas estáveis em suas emoções e autoconfiantes em suas decisões. Estes praticantes de atividades físicas dão preferência para modalidades com movimentos rápidos e intensos que é característica dos jogos esportivos (PAIM, 2002).
    Para o temperamento colérico foram encontrados no masculino para Extroversão e Introversão valores médios de 15,31 com desvio padrão de 1,63 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 14,96 com desvio padrão de 2,31; No feminino para Extroversão e Introversão foram encontrados valores médios de 15,77 com desvio padrão de 0,32 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 15,43 com desvio padrão de 2,76. Esses índices segundo Kalinine (1999) caracterizam pessoas com sistema nervoso alto, móvel e desequilibrado, onde os índices dos processos de excitação prevalecem sobre os processos de inibição, ou seja, pessoas que gostam de constantes desafios buscando sempre ultrapassar seus limites e mostram-se bastante impulsivas. Estes praticantes de atividade física gostam de modalidade com movimentos rápidos e intensos, onde o meio está em constantes mudanças. Pessoas com temperamento colérico caracterizam na maioria das vezes como sendo impacientes inclinadas ao perigo, são capazes de agir rapidamente, sofrem mudanças de humor frequentemente, gostam de esportes e atividades que lhes desafiem seus limites (KALININE & GIACOMINI, 1998; PAIM, 2002).
    Para o temperamento fleumático, foram encontrados no masculino para Extroversão e Introversão valores médios de 9,62 com desvio padrão de 1,41 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 9,0 com desvio padrão de 2,0; No feminino para Extroversão e Introversão foram encontrados valores médios de 10,0 com desvio padrão de 1,41 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 11,0 com desvio padrão de 0. Esses índices segundo Kalinine (1999) caracterizam pessoas com sistema nervoso alto, inerte e equilibrado, onde os índices dos processos de excitação se equivalem aos índices dos processos de inibição, ou seja, pessoas estáveis em suas emoções, autoconfiantes em suas decisões, apresentam um alto nível de capacidade de trabalho. O praticante de atividade física com temperamento fleumático da preferência para modalidades esportivas com movimentos calmos e uniformes, onde ele possa ter mais tempo para pensar e reagir adequadamente ao estimulo, pois é um excelente estrategista (KALININE & GIACOMINI, 1998; PAIM 2002).
    Para o temperamento melancólico, foram encontrados no masculino para Extroversão e Introversão valores médios de 10,5 com desvio padrão de 1,55 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 14,93 com desvio padrão de 2,02; No feminino para Extroversão e Introversão foram encontrados valores médios de 11,3 com desvio padrão de 1,19 para Estabilidade e Instabilidade Emocional valores médios de 15,27 com desvio padrão de 3,44. Esses índices segundo Kalinine (1999) caracterizam pessoas com sistema nervoso baixo, onde os índices dos processos de inibição prevalecem sobre os índices de excitação. O praticante de atividade física melancólico tem grande potencial, esportivo, mas ele mesmo não acreditando nesse potencial, precisando de constantemente palavras de incentivo e autoconfiança. Apresenta alto nível de ansiedade, o que acaba perturbando suas decisões e diminuindo seu desempenho, principalmente em situações onde a instabilidade do meio é grande, como é o caso dos esportes coletivos (PAIM, 2002).
Perfil Psicológico de estudantes do sexo feminino e masculino praticantes de esporte coletivo
Tabela 3. Média e Desvio Padrão dos sujeitos da amostra nos traços de personalidade Extroversão – Introversão (EX – IN) e Instabilidade – Estabilidade Emocional (IE – EE) e seu possível Temperamento.

    Os dados da Tabela 3 mostram que, dos 153 adolescentes, 54% adolescentes apresentam tendência ao temperamento colérico, 24% possuem tendência ao temperamento sangüíneo, 16% apresentam tendência ao temperamento melancólico e 6% adolescentes possuem tendência ao temperamento fleumático. A média e o desvio padrão encontrados foram, para Extroversão – Introversão, de 14,39 e 4,29, e, para Instabilidade - Estabilidade Emocional, de 13,26 e 3,89, respectivamente. Esses dados indicam que os alunos sujeitos da pesquisa apresentam tendência a comportamentos extrovertidos e instabilidade em suas emoções.
    A partir da análise dos dados das tabelas 1, 2 e 3, tem-se respaldo para traçarmos o perfil psicológico dos sujeitos da amostra. Assim pode-se inferir que: Os adolescentes do sexo masculino e do sexo feminino, participantes do estudo, se caracterizam na sua maioria, por apresentarem comportamentos extrovertidos, serem instáveis nas suas reações e emoções, gostarem de desafios e estarem sempre prontos para o novo, facilmente mantém contato com as pessoas, gostam de estar entre amigos, gostam de praticar atividades físicas que proporcionem contato físico e decisões rápidas; gostam de estímulos e elogios o quem caracteriza pessoas com o temperamento colérico e sanguíneo.
    Quando se investigou o tipo de atividade física praticada na escola, foi revelado que os sujeitos participantes da amostra são praticantes de handebol, basquete, voleibol e futsal. Os resultados da pesquisa corroboram com os estudos de Bakker; Whiting & Grug (1993), onde diz que pessoas com tendência a extroversão se caracterizam como: ativos, otimistas, impulsivos e capazes de estabelecer facilmente os contatos sociais e gostam de esportes coletivos. Já as pessoas com tendência introversão estão caracterizadas como reservados, ansiosos, precavidos e com dificuldades para os estabelecimentos de contatos sociais, indo ao encontro com os resultados acima descritos.
    De acordo com estudos de Eysenck citado por Bakker; Whiting & Grug, (1993); Paim (2002; 2003); Samulski (2002); a pessoa Extrovertida necessita de mais estímulos, vai à busca de situações excitantes, apresenta intolerância ao tédio, capacidade maior para suportar a dor, rapidez para reações, possuem menos freios em si mesmo, maior inclinação a transgredir regras do jogo e menos ansiedade, nas pessoas introvertidas, esses traços se manifestam de maneira contraria.
Conclusão
    Este estudo teve como objetivo verificar o perfil psicológico de estudantes na faixa etária de 15 – 17 anos, praticantes de atividade física nas escolas da Rede Pública de Santa Maria e qual a atividade física praticada no contexto escolar
    Quando se investigou os traços de personalidade, observou-se que os sujeitos do sexo feminino possuem valores médios mais elevados no traço Extroversão-Introversão e Instabilidade Emocional – Estabilidade Emocional de seu sistema nervoso, quando comparados aos sujeitos do sexo masculino.
    Quando foi investigado o temperamento, notou-se que, dos 153 adolescentes, 54% adolescentes apresentam tendência ao temperamento colérico, 24% possuem tendência ao temperamento sangüíneo, 16% apresentam tendência ao temperamento melancólico e 6% adolescentes possuem tendência ao temperamento fleumático.
    A partir desses resultados, pode-se inferir que os adolescentes do sexo masculino e do sexo feminino, participantes do estudo, caracterizam-se, na sua maioria, por apresentarem comportamentos extrovertidos e serem instáveis em suas reações e emoções, tendo perfil de pessoas com o temperamento colérico e sangüíneo, o que confirma a literatura da área, a qual refere que pessoas com tendência a temperamento colérico e sangüíneo dão preferência à prática de esportes coletivos, como handebol, basquete, voleibol, futsal, entre outros.
    Sugere-se que outros estudos sejam realizados, em outras escolas e com alunos de outras faixas etárias, pois, com base nos resultados desses, os professores de Educação Física podem ter a oportunidade de conhecer psicologicamente seus alunos e, a partir desse conhecimento, organizar suas aulas de acordo com as necessidades e preferências dos discentes, conseguindo, assim, maior envolvimento e motivação dos alunos.

1.2.        Retrato da sala de aula


Pesquisa define personalidades de alunos e sugere que professor adapte sua metodologia, mas classificação pode engessar a visão docente
            A tentativa de classificar o comportamento e temperamento humano vem de antes do surgimento de muitas das grandes filosofias e religiões do mundo. Hipócrates, pai da medicina ocidental - e cujas palavras ainda servem de juramento para graduandos de medicina hoje - marcou na Grécia Antiga a primeira categorização de personalidades. Segundo ele, existem quatro tipos de temperamento humano, de acordo com o fluido corporal que a pessoa mais possui: sanguíneo (sangue), fleumático (linfa ou fleuma), colérico (bílis) e melancólico (bílis negra).
            Desde os tempos de Hipócrates, psicólogos, psiquiatras e outros  especialistas vêm tentando aperfeiçoar e definir os exatos tipos de personalidade humana. No fim de julho deste ano, a mais recente tentativa foi lançada no Brasil, quando Diogo Lara, psiquiatra e professor de Medicina e Biociências da PUC-RS, com sua equipe, concluíram a pesquisa Temperamento e chegaram a 12 tipos de personalidade, resumidos a quatro grupos principais: pessoas estáveis, instáveis, externalizadas e internalizadas. A novidade é que Lara aplicou esses perfis à educação, chegando a conclusões sobre como uma aula deve ser ministrada a partir das características de cada grupo de alunos. "Quisemos saber como o modelo se relacionava com diversas realidades e contextos, desde o videogame até o desempenho acadêmico", conta Lara.
            Segundo ele, a maior parte das pessoas consegue reconhecer os perfis aos quais a pesquisa chegou sem precisar de uma cartilha e, em geral, 40% dos alunos de uma sala são do tipo "estável" e os outros 60% se dividem igualmente entre os outros três perfis. Existe, na escola, a "turma do fundão", em geral composta pelos alunos "externalizados" e alguns "instáveis", que começam a fumar e namorar precocemente, desafiam o professor, tendem a assumir menos responsabilidades, são ótimos na aula de educação física, mas não se dão bem com o ambiente da sala de aula. Já os "internalizados", ou "inibidos", se sentam nas laterais da classe,  de maneira a evitar perguntas e olhares diretos. Por sua vez, os "estáveis" são mais previsíveis: prestam atenção, gostam e se conectam bem ao processo de ensino.
            A conclusão da pesquisa Temperamento é que existem dois tipos básicos de aula: um mais expositivo, que privilegia informação, e outro mais dinâmico e prático, que foca habilidades. O tipo "estável" de aluno se adapta bem aos dois modos, enquanto os "inibidos" preferem a aula passiva, por temerem que o esquema mais participativo exponha suas vulnerabilidades. Os "instáveis" e "externalizados" precisam de atividades em que possam aplicar seu alto nível de energia, por isso preferem propostas mais práticas - em aulas expositivas não conseguem prestar atenção, cansam-se facilmente e se entendiam, o que mina sua autoestima e desempenho. "Se o professor entender que na sala de aula há pessoas desses vários tipos, pode equilibrar conscientemente atividades mais passivas com as mais participativas", analisa Lara.

Ressalvas
            Apesar de Lara garantir que a pesquisa é conclusiva, e que não há outros perfis além dos encontrados pela Temperamento, Melania Moroz, do Programa dos Estudos de Pós-Graduados em Educação, da Psicologia da Educação da PUC-SP, pondera que outros profissionais podem chegar a perfis diferentes, por isso é preciso ter cuidado na hora de classificar alunos. "Não acredito que há perfis específicos, a ponto de definirem o que deve ser ensinado e as estratégias de ensino a serem utilizadas", observa.
            A professora de história Maria Odette Brancatelli, do Colégio Bandeirantes, tem opinião parecida. Docente há 27 anos, ela diz que concorda com os perfis encontrados pela pesquisa, mas que muitos alunos possuem características de mais de um dos grupos de perfil. "As novas gerações são bem mais dinâmicas, têm mudado com uma rapidez incrível. Um novo estudo, daqui a um ou dois anos, pode apontar novos tipos de alunos", observa. Ela também acredita que o lugar que o jovem escolhe para sentar nem sempre define o seu perfil - há inibidos na "turma do fundão" e há externalizados e instáveis na frente da sala.

Estratégias
            A partir dos resultados da pesquisa, Diogo Lara defende que o segredo para uma boa aula é dividir o tempo em metade de exposição, metade de atividades práticas. Da mesma maneira, cada professor encontraria o seu jeito de envolver alunos com personalidades diferentes. Vera Lucia Antunes é coordenadora pedagógica, professora de geografia do colégio Objetivo e ex-docente da rede estadual de São Paulo. Com 42 anos de sala de aula, ela afirma que sua estratégia é, em princípio, conhecer os alunos pelo nome e lugar onde sentam, e decifrar como eles se comportam na classe. Depois, encontra maneiras diferentes de chamar a atenção de cada um. Quem está conversando ou dormindo, por exemplo, é chamado para debater algum assunto atual que se relacione com a matéria. "Procuro me aproximar, fazer com que o aluno preste atenção. Quando ele perde o que está sendo discutido, perde o interesse, e isso leva à desmotivação e à distração na aula", afirma. Segundo ela, não há um só método em uma classe. Para os que dormiram, ela fala mais alto. Para os tímidos, ela fala mais direcionada, sem chamar a atenção.
            O tipo mais difícil de motivar e envolver na aula é o "desligado" que, nas categorias de Lara, se encaixaria nos instáveis. Essa é a mesma opinião de Maria Odette, do Bandeirantes, que acha muito difícil trabalhar com os "indiferentes", desinteressados pelo conteúdo independentemente da estratégia. Nos tipos da pesquisa, eles também se encaixariam nos instáveis. "Conquistá-los leva tempo", diz.
            A professora Vera, no entanto, atenta para o fato de que os perfis engessados podem impedir que o docente conheça de fato o estudante. Ela cita o exemplo de um aluno, hoje médico, que chegou a agredir fisicamente a diretora da escola e cujo desempenho nas avaliações escritas era baixo. Pelo contato em sala de aula, Vera sabia que ele conhecia o conteúdo. Uma prova oral mostrou que, na verdade, o garoto era disléxico - sua agressividade era resultado de frustração. "Esse tipo de aluno o professor muitas vezes acha que é vagabundo", alerta.
            Outra questão que contradiz a recomendação do professor de adaptar sua aula aos alunos diz respeito à necessidade de que os jovens desenvolvam novas habilidades e se adaptem a uma atividade à qual não estão habituados. Assim, um aluno que prefere uma aula expositiva a um trabalho em grupo deve, em algum momento, aprender a trabalhar com os colegas para ampliar suas habilidades. "Algumas vezes, o professor sabe que determinada estratégia é a mais adequada para um tema - nesse caso, são os alunos que precisam se adaptar. A necessidade de adaptação é recíproca", afirma Maria Odette.
            É o que defende Márcio Moreira, coordenador e professor do curso de psicologia do Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb). Para ele, independentemente da existência de perfis de alunos e da necessidade de planejar atividades voltadas para o que os jovens trabalham melhor, o professor não pode se tornar escravo disso. "É preciso ter cuidado ao dizer que o professor precisa se adaptar, porque ele pode ficar em uma situação de receio, achando que tem de se adaptar para que o aluno aprenda", observa. "Não posso simplesmente classificar as pessoas em tipos e dizer que elas são assim e não vão mudar."
            Outra crítica, levantada pela professora Melania Moroz, da PUC-SP, é que identificar perfis psicológicos não é o mais essencial para o sucesso de uma aula. O importante de conhecer os alunos, segundo ela, é entender o quanto eles sabem sobre o que será ensinado, para que o próprio docente possa se planejar e ter claro que proficiência o estudante deve ter no fim do processo. "Se um aluno não domina as operações matemáticas, qual é a probabilidade de que aprenda frações? Mínima! Ele provavelmente conversará com o colega, ouvirá música, ficará de cabeça deitada sobre a carteira, ou pensará em qualquer outra coisa não relacionada a frações", diz.

Os 12 perfis
            Conheça os tipos de personalidades definidos pela pesquisa "Temperamento"
Internalizados
* Depressivo
* Apático
* Ansioso    
(apreensivo)
Estáveis
* Eutímico
(tranquilo)
* Hipertímico
(energético)
* Obsessivo
Instáveis
* Ciclotímico
(ciclos de humor)
* Disfórico
(humor agitado)
* Volátil
(instável, mas aéreo)
Externalizados
* Desinibido
* Irritável
* Eufórico

Metodologia
            A pesquisa Temperamento demorou seis anos para ser concluída. Está baseada na experiência clínica de Lara e seus colegas e, principalmente, nos resultados do site www.temperamento.com.br, dotado de um questionário virtual e anônimo que permite uma análise posterior do perfil de cada um. Mais de 50 mil pessoas já responderam às questões.
            O método consiste em relacionar duas abordagens, o temperamento emocional e o afetivo. "No emocional levamos em conta o quanto a pessoa tem de vontade, de raiva, de medo, de sensibilidade a estresse, de capacidade de enfrentar e resolver problemas. São características fundamentais da nossa função mental", detalha. "O temperamento afetivo é a combinação desses fatores com configurações específicas que nos levaram a 12 padrões afetivos mais comuns."
            Para aplicar a teoria à educação, a pesquisa verificou quais características afetivas e emocionais estavam relacionadas a um bom ou mau desempenho acadêmico, analisado por número de anos de escolaridade e número de repetências. "Por exemplo, quem não acabou o ensino médio tem hoje, como adulto de 24 anos ou mais, características de menos vontade, controle e capacidade de resolver problemas", diz Lara. Os pesquisadores também levaram em conta a vivência que tiveram como alunos, a experiência de Lara como professor universitário durante dez anos e outros trabalhos de pedagogia com modelos parecidos de temperamento.

1.3.        PUCRS: Pesquisa desvenda temperamento dos brasileiros


            Emoções básicas, como medo, raiva, vontade, controle e sensibilidade, em diferentes doses e combinadas, resultam nos diversos comportamentos. O jeito de ser pode levar a pessoa ao sofrimento, à apatia, aos vícios, à exposição aos riscos ou a uma vida saudável e ao sucesso. O Grupo de Pesquisa Bases Neurobiológicas e Tratamento de Transtornos Neuropsiquiátricos, do Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular da PUCRS, liderado pelo psiquiatra e professor Diogo Lara, realiza uma pesquisa pela internet que traça um mapa dos temperamentos. Até agora foram analisadas as respostas de 37 mil pessoas (70% de mulheres) e espera-se que outras 200 mil participem por meio do site www.temperamento.com.br.
            A partir das respostas aos questionários, pode-se concluir que 18% dos brasileiros são obsessivos. O comportamento tido como mais estável, previsível e com bom humor (eutímico) apareceu como dominante em 16%. Os hipertímicos (mais arrojados e com menos medo) somam 15%, a maioria homens (18%, ante 12% de mulheres). Os mais instáveis estão presentes em 30% (ciclotímicos, disfóricos e voláteis). Os depressivos, ansiosos e apáticos são menos de 15%.
            Para Diogo Lara, na Psiquiatria em geral se vê a saúde mental como ausência de doença, enquanto ele acredita na possibilidade de aprimorar o temperamento inclusive para prevenir futuros transtornos psiquiátricos. A escala permite, sob uma ótica global, identificar perfis de pessoas muito diferentes ao mesmo tempo. "Procuramos fazer uma escala mais completa, que abrange as emoções de forma detalhada e simples, acessível à população em geral e a psiquiatras, ajudando a orientar tratamentos". Os objetivos da pesquisa são consolidar e validar a escala de temperamento, feita pelo grupo da PUCRS a partir de outros modelos, e abrir a possibilidade de seu uso nos consultórios.
            O foco do projeto é o funcionamento da mente. Pretende-se saber de que forma o temperamento de um indivíduo, com base em seu comportamento cotidiano, influencia nos seus transtornos existentes ou potenciais. "Se a gente consegue interferir no jeito que a pessoa é, em busca de mais equilíbrio, os transtornos vão embora", diz o psiquiatra. O segredo do bem-estar está na boa combinação entre o medo (o freio), a vontade (o acelerador) e o controle (a direção). "Os profissionais devem estar atentos para diferenciar os pacientes e tratá-los não apenas pelos sintomas, mas também levando em conta como eles são".
            Ainda é possível participar da pesquisa por meio do site www.temperamento.com.br.

2.      Fórmulas utilizadas


Nossos gráficos e tabelas foram elaborados no Microsoft Excel. Para elaboração dos mesmos, foram utilizadas algumas fórmulas, listadas abaixo:

=cont.ses;

=media;

=modo;

=med;

=desvpad.n;

=desv.médio.






2012 - Colégio Técnico Industrial "Prof. Isaac Portal Roldán" - Unesp - Bauru/SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário